domingo, janeiro 16, 2005

Apresentação das listas PSD Algarve

PSD/Algarve confia no trabalho feito


"Lutar intransigentemente na defesa dos interesses do Algarve". É a principal arma dos candidatos do PSD pelo Círculo Eleitoral, apresentados hoje de manhã, em Faro, nas palavras do seu cabeça-de-lista, José Mendes Bota, que, para já, aponta como "bandeiras" essenciais a Barragem de Odelouca e o Hospital Central do Algarve.

"Estamos nesta disputa eleitoral, com o mesmo espírito e a mesma convicção que nos anima na nossa vivência diária. Connosco, a voz do Algarve far-se-á sentir, seja onde for, seja perante quem for, colocando as questões colectivas da sociedade algarvia acima de mesquinhos interesses de grupo ou de facção", sublinhou Mendes Bota, também líder da estrutura regional do partido.

O objectivo do PSD, no que concerne à região, é manter ou reforçar a presença na Assembleia da República (quatro deputados em oito possíveis, no actual panorama). Para isso, o responsável confia que os algarvios, na hora de depositar o seu voto na urna, se recordem do trabalho do PSD pela região nas últimas décadas. "Temos provas dadas no passado", referiu.

Prometendo um programa eleitoral, a ser anunciado brevemente, "realista, ambicioso e inovador - para um Algarve economicamente mais competitivo e socialmente mais justo e equilibrado", Mendes Bota não deixou, no entanto, de dar a conhecer dois projectos estruturantes - "objectivos políticos de primeira grandeza", caracterizou -, a perseguir nos próximos tempos.

Em primeiro lugar, a Barragem de Odelouca, "pilar fundamental do sistema de abastecimento de água ao Barlavento", cujo arranque tem sido "dificultado por incompreensíveis obstáculos de natureza ambiental". Em segundo, a construção do Hospital Central do Algarve, no Parque das Cidades, e a criação da Faculdade de Medicina que lhe está associada.

Mendes Bota assumiu-se preocupado com as recentes declarações de importantes personalidades do PS, designadamente Correia de Campos. E Gomes Ferreira, mandatário distrital da lista e conhecido médico do Hospital Distrital de Faro, prometeu "combater até à exaustão" por uma "grande necessidade, não só para os residentes como para os turistas". Na sua óptica, a actual situação "dá uma má imagem da região".

O papel central que o Turismo ocupa no tecido económico do Algarve faz o PSD perfilhar "a Estratégia Nacional de Desenvolvimento Sustentável, vê-la reflectida nas linhas orientadoras na revisão do PROTAL em curso, projectá-la na revisão dos Planos Directores Municipais, e assim viabilizar dezenas de projectos turísticos estruturantes, mobilizadores de biliões de euros de investimentos privados e criadores de muitos milhares de novos postos de trabalho no Algarve".

Por outro lado, os sociais-democratas prometem bater-se pela concretização da navegabilidade dos rios Guadiana e Arade, pela modernização da linha ferroviária Lisboa-Algarve e pelo chamado metro de superfície entre as principais cidades da região.

O "regionalista que nunca se rendeu"...

Segundo os responsáveis pelo PSD/Algarve, a lista (apoiada no lema "Com o Algarve, sempre!") mostra "uma clara opção pela renovação dos intérpretes políticos", sem esquecer "a representatividade de todas as sub-zonas geográficas da região". A média etária dos candidatos sociais-democratas é de 39 anos, integrando três candidatos com menos de 30 anos (23%) e três mulheres (23%).

Como cabeça-de-lista, "um regionalista que nunca se rendeu", na auto-caracterização de Mendes Bota: "Não será agora que irá mudar de opinião. O Algarve continua a ter todas as condições para vir a ser um dia a região-piloto de Portugal." Mas, até lá, importa consolidar a Área Metropolitana do Algarve, cuja evolução natural, reforçou novamente o líder do PSD/Algarve, "será no sentido de uma eleição directa e universal por todo o eleitorado algarvio".

Bastante questionado por alguns "nomes históricos" do partido a nível regional, designadamente Carlos Martins ou Patinha Antão não estarem presentes na lista, o responsável reforçou que a mesma representava "responsabilidade colectiva". "Estamos aqui para apresentar esta lista. Não estamos para apresentar a não-lista", acentuou, em diversas ocasiões.

Curiosamente, Mendes Bota confessou-se crítico do actual sistema eleitoral, defendendo, no futuro, "uma reforma profundamente necessária", assente nos círculos uninominais, "a única forma de ver qual o político que tem votos junto dos eleitores e merece a sua confiança".

Ao seu lado, José Pereira da Costa, número dois e nome "imposto" pelas estruturas nacionais, assumiu "um compromisso de solidariedade para com a região". "Sinto-me bastante cómodo nesta mesa; reconheço que não estou a par dos problemas do Algarve mas, daqui em diante, podem contar comigo", disse.

Carisma, "ou se tem ou não se tem..."

O cabeça-de-lista do PSD comentou, numa perspectiva sobre a situação política a nível nacional, que o PS não está a conseguir passar a mensagem. Essencialmente, a diferença reside em Santana e em Sócrates - "um tem carisma, o outro não". E essa virtude "não se compra; ou se tem ou não se tem..."

Edgar Pires


1 comentário:

Anónimo disse...

Onde é que estão as fotos que o Pedro Claudio tirou? Mostrem a imagem do novo PSD/Algarve, um PSD vencedor, dinamico, profissional. Vamos mostrar ao algarve que pode contar com o PSD.


Nuno Vaz Correia